quarta-feira, 14 de maio de 2014

Amar a si mesmo resolve nossos problemas.

     Com o gancho do livro do Augusto Cury, quero falar sobre ser realmente insubstituível, será mesmo que no tempo de hoje em que as pessoas não tem mais a mesma importância, realmente essa frase do Charlie brown faz sentido? Fazendo uma analise mais profunda sobre isso, vejo que poucas são as pessoas que recebem o nosso verdadeiro valor. Talvez porque a desconfiança e outras experiências tomaram espaço dentro do nosso  coração. Mas, é certo que em todo tempo queremos ter valor. Queremos ser mesmo importantes.
    Augusto Cury está longe de ser auto ajuda ou coisa parecida como muitos acham. Ele é médico psiquiatra e psicanalista, muito inteligente e desenvolveu a teoria multifocal. Com base nesse livro quero destacar alguns trechos sobre "você é insubstituível" que achei bastante interessante para falar de sentimentos, que por vezes deixados de lado por aquilo que vivenciamos e não conseguimos nos abrir para novas oportunidades na nossa vida em conhecer pessoas, porque é certo que todos um dia de alguma maneira irá nos magoar. Mas a diferença é que se isolar nos leva mais perto do abismo das doenças psicológicas. Vejamos o que diz a respeito desse livro que escolhi para mencionar aspectos da vida.
     "A personalidade foi, assim, confeccionada de maneira multifocal e bela. Se você é negativista, inseguro, corajoso, sonhador, isto se deve à história escrita em sua memória. Você interpreta o mundo pelas janelas da sua história. Ela contém milhares de arquivos com bilhões de informações. Você não pode deletar a sua memória, nem as experiências dolorosas nem as prazerosas. Ela só pode ser reescrita. Como? Aplique a técnica do DCD (duvide, critique e determine). Duvide de tudo aquilo que controla sua emoção e conspira contra sua vida. Critique cada pensamento negativo. Critique a passividade do "eu". Critique seu conformismo e reflita sobre as causas de seus conflitos. Determine ser alegre, seguro,' feliz. Dê um choque de lucidez em sua emoção, arquive novas experiências! Seja autor e não vítima de sua história."  Por fim acredite em você mesmo, não desista de você porque assim, as pessoas também não o farão. Você transmite aquilo que quer. Quando não sentimos bem, aproximamos de pessoas e situações completamente diferente do nosso verdadeiro eu. Mas, quando conseguimos chegar mais próximos de quem somos, encontramos nosso self real. É certo que esse valor virá de fora também.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário